"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." João 14.6

Coluna: FALANDO A ALMA
Nome: ROGÉRIO B. BERNARDES
E-mail: oirerog@gmail.com
Igreja: CASA DE ORAÇÃO EM JARDIM MARILÂNDIA
Memorando:

Rogério Batista Bernardes, casado com Marilene Rodrigues Bernardes, pai de Miguel e Marilia, nascido em Ecoporanga, em 1969.

Graduado pela Universidade Federal do Espirito Santo; Formado e Especializado em Psicanálise Clínica Pela UNIG e ABPC; Especializado em Gestão Pública Municipal, pelo IFES.

Quantidades de pessoas que visualizaram este texto Quantidade de pessoas que curtiram este texto Quantidade de pessoas que não gostaram deste texto
12

05/12/2015 11:44:49

O CAMINHO DA GLÓRIA

Conta-se que certo fazendeiro tinha como herdeiro um único filho. Esse jovem cheio de vida, não ouvia seu pai, por mais que pacientemente seu pai o aconselhasse. Os conselhos eram sinos que tiniam aos ventos. O jovem insistia em viver à sua maneira. Os anos passaram. O pai próximo à morte chama o filho para última conversa:

- Filho, estou à morte. Deixo-lhe toda minha herança. Resultado de meu trabalho e sabedoria adquiridos ao longo da vida. Sei que você irá acabar com tudo isso. Em pouco tempo você ira dilapidar esse patrimônio. Quando isso acontecer, e você olhar envergonhado para você. Vá ao celeiro. Nos fundos do celeiro tem uma portinha, abra-a, verás uma corda pendurada, com um nó de forca, pendure-se nela, suicidando-se.

- Não pai, não vou acabar com o seu trabalho. Vou multiplicar sua fazenda.

Morreu o pai. O filho chorou-o por algum tempo. Passado o luto, voltou a sua vida leviana, sem se lembrar da fala do pai. Poucos anos se passaram. O jogo, os vícios, as mulheres, deixou àquele rapaz quebrado e endividado. Um dia, olhando no espelho lembrou-se do último conselho. Respirou fundo, procurou a chave da porta do celeiro, abriu-a, viu a corda. Colocou-a no pescoço, e disse “me perdoa pai, você tinha razão”; dito isso, soltou o peso do corpo.

Caiu espantado no chão, pois sobre ele caíra uma fortuna superior a que havia gastado, em ouro e pedras. Junto à fortuna um bilhete do pai: “Filho eu sabia que você viria, por isso deixei-lhe essa segunda chance. Agora sei que farás diferente, pois pela primeira vez na vida, ouviu meu conselho. Sempre te amei meu filho!”

Querido!

Salomão registrou em Provérbios 13.18 – “Pobreza e afronta virão ao que rejeita a correção, mas o que guarda a repreensão será venerado”.

Sei que estás chateado por que alguém lhe chamou a atenção, lhe deu um conselho, foi duro contigo, lhe fez uma crítica, não gostou do seu trabalho, lhe difamou. Sei que você o ignorou, rejeitou a advertência, se encheu de razão própria, condenou-o por essa intromissão. Pois afinal o que ele tem a ver com isso... “à vida é sua”.

Como disse o sábio, pobreza e afronta x admiração, veneração, respeito. A dicotomia apresentada é mais uma das dualidades que constantemente temos que escolher. O nosso orgulho próprio quase sempre nos leva a ignorância. Assim caso esteja sofrendo, ou mesmo desesperado por que foi advertido. Reflita, olhe para si, para a situação, para os outros, critique-se, as promessas são compensatórias, o caminho para a glória terrena e espiritual é rico em disciplina. “só se chega ao pódio, com renúncia”.

Dê uma segunda chance a você e aos outros.          

Rogério da Marilene

 

Casa de Oração em Jardim Marilândia - Vila velha/ES
by, Fabiano de Azeredo