"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." João 14.6

Coluna: FALANDO A ALMA
Nome: ROGÉRIO B. BERNARDES
E-mail: oirerog@gmail.com
Igreja: CASA DE ORAÇÃO EM JARDIM MARILÂNDIA
Memorando:

Rogério Batista Bernardes, casado com Marilene Rodrigues Bernardes, pai de Miguel e Marilia, nascido em Ecoporanga, em 1969.

Graduado pela Universidade Federal do Espirito Santo; Formado e Especializado em Psicanálise Clínica Pela UNIG e ABPC; Especializado em Gestão Pública Municipal, pelo IFES.

Quantidades de pessoas que visualizaram este texto293 Quantidade de pessoas que curtiram este texto Quantidade de pessoas que não gostaram deste texto

05/12/2015 11:44:49

O CAMINHO DA GLÓRIA

Conta-se que certo fazendeiro tinha como herdeiro um único filho. Esse jovem cheio de vida, não ouvia seu pai, por mais que pacientemente seu pai o aconselhasse. Os conselhos eram sinos que tiniam aos ventos. O jovem insistia em viver à sua maneira. Os anos passaram. O pai próximo à morte chama o filho para última conversa:

- Filho, estou à morte. Deixo-lhe toda minha herança. Resultado de meu trabalho e sabedoria adquiridos ao longo da vida. Sei que você irá acabar com tudo isso. Em pouco tempo você ira dilapidar esse patrimônio. Quando isso acontecer, e você olhar envergonhado para você. Vá ao celeiro. Nos fundos do celeiro tem uma portinha, abra-a, verás uma corda pendurada, com um nó de forca, pendure-se nela, suicidando-se.

- Não pai, não vou acabar com o seu trabalho. Vou multiplicar sua fazenda.

Morreu o pai. O filho chorou-o por algum tempo. Passado o luto, voltou a sua vida leviana, sem se lembrar da fala do pai. Poucos anos se passaram. O jogo, os vícios, as mulheres, deixou àquele rapaz quebrado e endividado. Um dia, olhando no espelho lembrou-se do último conselho. Respirou fundo, procurou a chave da porta do celeiro, abriu-a, viu a corda. Colocou-a no pescoço, e disse “me perdoa pai, você tinha razão”; dito isso, soltou o peso do corpo.

Caiu espantado no chão, pois sobre ele caíra uma fortuna superior a que havia gastado, em ouro e pedras. Junto à fortuna um bilhete do pai: “Filho eu sabia que você viria, por isso deixei-lhe essa segunda chance. Agora sei que farás diferente, pois pela primeira vez na vida, ouviu meu conselho. Sempre te amei meu filho!”

Querido!

Salomão registrou em Provérbios 13.18 – “Pobreza e afronta virão ao que rejeita a correção, mas o que guarda a repreensão será venerado”.

Sei que estás chateado por que alguém lhe chamou a atenção, lhe deu um conselho, foi duro contigo, lhe fez uma crítica, não gostou do seu trabalho, lhe difamou. Sei que você o ignorou, rejeitou a advertência, se encheu de razão própria, condenou-o por essa intromissão. Pois afinal o que ele tem a ver com isso... “à vida é sua”.

Como disse o sábio, pobreza e afronta x admiração, veneração, respeito. A dicotomia apresentada é mais uma das dualidades que constantemente temos que escolher. O nosso orgulho próprio quase sempre nos leva a ignorância. Assim caso esteja sofrendo, ou mesmo desesperado por que foi advertido. Reflita, olhe para si, para a situação, para os outros, critique-se, as promessas são compensatórias, o caminho para a glória terrena e espiritual é rico em disciplina. “só se chega ao pódio, com renúncia”.

Dê uma segunda chance a você e aos outros.          

Rogério da Marilene

 

Casa de Oração em Jardim Marilândia - Vila velha/ES
by, Fabiano de Azeredo